A volta do esqualano

esqualeno

Quando nós compramos um potinho de creme ou um simples batonzinho, não fazemos ideia nenhuma de onde vem a matéria-prima utilizada. Uma coisa que me alegra nos nossos tempos de acesso ilimitado à informação, é o quanto os consumidores estão mais conscientes.

Há alguns anos atrás, era bastante comum encontrar esqualano em cosméticos, inclusive naqueles manipulados na farmácia. E o esqualano realmente merece destaque por várias características: é inodoro, incolor, quimicamente estável, muito resistente à oxidação, boa solubilidade em vários tipos de formulação etc. E a melhor parte: o esqualeno e o próprio esqualano (em menor concentração) são produzidos pelas nossas glândulas sebáceas, eles ajudam a prevenir a perda de umidade e a promover a elasticidade da pele. E o fato de já serem produzidos pelo nosso organismo (ele pode ser encontrado até na vagina!) traz uma maior segurança para o seu uso em cosméticos.

Agora a parte ruim: por muito tempo, a fonte comercial desta matéria-prima era o fígado de tubarões que vivem nas profundezas do mar. Esse óleo de fígado de tubarão foi muito utilizado na China, Japão e Coreia como um alimento saudável e até aqui no Brasil, pode ser encontrado nos dias de hoje.

Antes de continuar, preciso fazer um esclarecimento: existe o esqualeno e o esqualano!

Esqualeno: encontrado em maior concentração no sebo da nossa pele, possui muitas ligações duplas na sua cadeia carbônica e é bastante instável, portanto, ficaria difícil utilizá-lo dessa forma em cosméticos;

Esqualano: encontrado em baixa concentração na pele, produzido a partir do esqualeno por uma reação química (hidrogenação catalítica), possui boa estabilidade para ser usado em cosméticos.

Continuando… Além do fígado de tubarão, outras fontes de esqualeno foram exploradas. Na década de 70, o esqualeno chegou a ser produzido por síntese química, mas era caro demais. A opção que surgiu foi obter o fitoesqualeno de óleos vegetais, como o de oliva, só que também não era economicamente viável, pois era encontrado em baixas concentrações… Até que surgiu a alternativa de obtê-lo a partir um resíduo da produção de azeite de oliva que pode apresentar até 30% de esqualeno na sua composição.

Hoje, uma alternativa que me parece muito viável, é a produção do esqualeno a partir da cana-de-açúcar. A Amyris, uma empresa da Califórnia, possui uma levedura (a mesma de fazer pão) que foi modificada para produzir uma outra substância, o β-farneseno a partir da fermentação do açúcar e esta molécula vai servir como precursora para produzir o esqualano. Como açúcar é o que não falta no Brasil, ela acabou se instalando por aqui…

Eu coloquei “a volta do esqualano” no título desse post, pois acredito que agora os consumidores não precisam mais ficar preocupados. A incerteza a respeito da sua obtenção e os custos altos acabavam influenciando na sua disponibilidade no mercado. Acredito que esse novo processo da Amyris vai impactar o mercado e vamos começar a ver mais esqualano por aí.

bb cream esqualano

Um produto que gosto muito é o BB Cream da L’Oréal, vejam a formulação: AQUA; CYCLOPENTASILOXANE; ALCOHOOL; BUTYLENE GLYCOL; ETHYLEXYL METHOXYCINNAMATE; PEG-10; DIMETHICONE;PHENYL TRIMETYCONE; SQUALANE; MAGNESIUM SULFATE; TALC; NYLON-12; MALTITOL; DISODIUM STEAROYL GLUTAMATE; ALUMINIUM HYDROXIDE; SORBITOL; PERLITE; VACCINUM MYRTILLUS FRUIT EXTRACT

 

Eu só não sei de onde vem esse esqualano da L’Oréal, mas com certeza não é de nenhum tubarão!

 

Produtos que eu uso: Colágeno em pó

Já faz algum tempo que uso colágeno hidrolisado e a minha preferência são pelos em pó. Quando digo em pó, me refiro aos vendidos em pote ou sachet. O primeiro que usei era em cápsulas e eu não achei que valesse a pena, a dose era muito baixa e eu teria que tomar várias cápsulas para equivaler a um sachet. Geralmente, a cápsula ou comprimido fornece 1 g de colágeno, mas o ideal é ingerir de 8 a 10g.

A marca de colágeno que eu uso normalmente é a SlimCol da Dynamic Labs, eu me adaptei muito bem ao sabor de tangerina, bem suave. Outro que eu usei e achei bom foi o Colagentek, ele possui sabores sortidos, mas eu achei um pouco forte. Eu sei que existem várias opções em potes, mas o sachet é mais prático e dá para levar na bolsa.

colageno slimcolcolageno colagentek30

 

Além de 8g de colágeno/sachet, ambos possuem algumas vitaminas na formulação. Da mesma forma que gelatina, o colágeno hidrolisado apresenta difícil solubilização em água fria.  O que eu costumo fazer é colocar no copo com água, misturar (vai ficar cheio de grumos) e esperar alguns minutos. Depois eu misturo de novo e está pronto para tomar!

 

Colágeno hidrolisado funciona?


Colageno e envelhecimento

O envelhecimento tem causa multifatorial, mas uma coisa que todas sabemos é que perdemos o colágeno da pele com o tempo e, com isso, ganhamos rugas e flacidez. Por isso, a ideia de repor este colágeno perdido é muito sedutora.

Esse, com toda a certeza, é um assunto bastante polêmico! Eu via nas prateleiras suplementos e alimentos funcionais com colágeno e sempre aparecia a dúvida:

Suplementação com colágeno funciona ou é perda de tempo e dinheiro? E se funciona, como isso acontece?

Acho que a grande maioria dos profissionais da área da saúde ou pessoas que já estudaram Bioquímica alguma vez na vida não irão ver muito sentido no uso do colágeno.  Afinal, quando você ingere uma proteína, não vai ser tudo hidrolisado e teremos aminoácidos disponíveis do mesmo jeito? Não é a mesma coisa que ingerir gelatina ou pé-de-galinha com regularidade?

Eu pertencia ao grupo que não acreditava na suplementação com colágeno, até que um dia eu resolvi fazer um teste de 1 mês usando todos os dias (8g/dia). E, para a minha surpresa, percebi uma melhora significativa no aspecto da minha pele. Como assim? Qual a “lógica” por trás do colágeno?

Fui fazer uma busca na literatura (científica) e percebi que eu tinha alguns conceitos errados. O primeiro deles era: eu achava que a gelatina por si só já era um “colágeno hidrolisado”, já que ela é obtida a partir da hidrólise do colágeno de origem animal. E, na verdade, o que a indústria chama de colágeno hidrolisado é aquele obtido após mais uma etapa de hidrólise, só que enzimática. Traduzindo: depois de obter a gelatina, esta vai ser quebrada em pedacinhos menores ainda. Em termos bioquímicos, dizemos que foram formados polipeptídeos de massa molecular menor. Essa é a razão do colágeno hidrolisado ser tão mais caro que um simples pacotinho de gelatina!

Depois de ler vários trabalhos, descobri alguns fatos interessantes:

Fato 1: O colágeno hidrolisado, ou mesmo a gelatina, não vai ser completamente hidrolisado no estômago, como quase todo mundo pensa!

Fato 2: O colágeno hidrolisado apresenta biodisponibilidade. Isso significa que vai ser absorvido no intestino e cair na corrente sanguínea.

Vi que muita coisa já foi estudada, e ainda falta alguns pontos para os pesquisadores esclarecerem. Existem muitos estudo in vitro, in vivo (animais) e clínico (com pessoas) que confirmam o efeito que observamos na pele com a suplementação e, também, outros sobre diversos assuntos (metabolismo ósseo, segurança, atividade antimicrobiana etc.). Sobre o mecanismo de ação do colágeno na pele, encontrei dois que me convenceram:

  • Os aminoácidos (aas) do colágeno funcionam como blocos construtores para a produção de mais colágeno. (Esse é o que menos me convenceu, pois eu posso ter os mesmos aas de outras fontes!)
  • Os oligopeptídeos do colágeno hidrolisado se ligam a receptores dos fibroblastos e estimulam a produção de colágeno novo, elastina e ácido hialurônico. (Gostei desse!)

Um trabalho de um grupo brasileiro me chamou a atenção por dar mais uma possibilidade: eles verificaram (in vivo) que a ingestão de colágeno hidrolisado por 4 semanas suprimiu algumas metaloproteinases de matriz, que estão relacionadas com a degradação direta do colágeno e com a inibição da sua síntese.

O que as vaidosas que usam colágeno já sentiam na pele, a ciência explica!

Só para deixar claro: não pretendo escrever post monografia!!! Estes processos são complexos e não dá para colocar aqui bem explicadinho. Mas, o que eu vi na literatura, me convenceu e eu continuo usando CH e gosto muito do resultado. Quem quiser ver o que eu uso, é só clicar aqui.

Se quiser esclarecer um dúvida ou sugerir temas para postagem, pode entrar em contato com o blog!