Melhor primer que já usei: Pós-barba Nivea

primer balsamo pos barba nivea

primer loção pos barba nivea Sempre tive problema com primers, já usei testei várias marcas, mas mesmo assim não me sentia 100% satisfeita. Então, vendo os tutoriais da Nikkie Tutorials (http://www.nikkietutorials.com/site/), decidi testar a loção pós-barba para pele sensível que ela usa como primer. Para a minha surpresa, eu encontrei a mesma loção que ela usa na farmácia perto da minha casa.

Estou encantada com o resultado deste primer na pele! O que me incomoda nos outros primers é que eles são como uma maquiagem, funcionam disfarçando os poros devido ao efeito óptico dos silicones. Já a loção pós-barba da Nivea, além de formar um filme que disfarça os poros, dá para sentir um diminui os poros, pois tem um efeito levemente adstringente. A gente fica com uma sensação de frescor na pele e não com a sensação de pele sebosa!

Eu usei das seguintes maneiras:

1 – loção pós-barba + base

2 – hidratante + loção pós-barba Nivea + base

3 – filtro solar 70 (bem pesado) + loção pós-barba Nivea + base

Achei que a minha pele ficou melhor do que quando uso outros primers, mas a melhor forma foi a primeira: só o primer e a base. A formulação desta loção permite que ela seja usada como hidratante, pois ela forma um filme na  pele e possui extrato de flor de camomila e vitamina E. Como ela não foi testada em relação ao efeito comedogênico, pois não tem nada no rótulo a respeito, acho que deve ser usada com cautela por pessoas com acne. Na formulação, há um ingrediente que é considerado muito comedogênico (isopropyl palmitate), mas como a loção possui ativos que poderiam minimizar a acne (extrato de flores de camomila e piroctone lamine), pode ser que não cause acne. Na minha pele que é mista, não percebi nenhuma alteração.

Essa loção Nivea também tem na formulação a maltodextrina e um amido de mandioca (tapioca starch), por isso ela forma um filme que permite que os poros além de contraídos, fiquem disfarçados! Como um primer mesmo!!!

Só não gostei de duas coisas: a embalagem e o cheiro! A loção vem em frasco de vidro sem nenhuma válvula e o aroma é masculino. Mas como é um produto para homens, não tinha como ser diferente! Uma boa ideia seria trocar a embalagem em casa e, quanto ao cheiro, não incomoda por ser bem suave.

A melhor parte é o preço, a loção custa por volta de 25 reais e vem 100 mL!!! Antes de descobrir esta loção, eu estava usando o primer da Benefit ou o da Smashbox, que custavam bem mais caros… Agora eu vou ficar só com esse, acho que vale muito a pena!  O bom seria se Nivea mudasse a essência e a embalagem e vendesse como um primer mesmo!

Quem já testou, me conta!

Bjs

 

 

 

Mousse de cabelo Vital Care

Mousse Vital Care
Mousse Vital Care

Mousse de cabelo é um finalizador muito versátil! Como tenho o cabelo cacheado, ela fica ótimo para deixá-lo bem domado, com os cachos definidos e sem frizz. Ela também pode ser usado em cabelos finos e sem volume antes de secar com o secador. Se usado desta forma, ela deixa o cabelo com um volume de capa de revista. Fica lindo!

Esse é o tipo de finalizador que é fácil ficar viciada e nunca mais deixar de usar, seja em cabelo volumoso e cacheado ou liso e sem volume.

Como a mousse funciona?

O mistério desta versatilidade toda está na sua formulação com resinas poliméricas, gás propelente, surfactante (diminui a tensão superficial e faz espuma) e outros ingredientes com funcão emoliente como silicones, ureia etc. Desta forma, quando a gás sob pressão sai juntamente com a resina e os surfactantes, temos uma espuma levinha que é fácil de espalhar, sem ficar com muito acúmulo localizado em um só lugar. Quando seca, o polímero forma pontos de contato entre os fios formando uma estrutura “ajeitadinha”, assim o cabelo fica arrumado, seja liso ou cacheado. Algumas possuem silicones, o que ajuda a controlar o frizz, mas podem acumular no cabelo, portanto não são indicadas para low poo/no poo (post sobre óleo de silicone aqui).

A presença de silicones na formulação de mousse foi um grande avanço tecnológico. A lógica

Eu sou uma consumidora fiel, quando eu fidelizo com um produto ou marca, dificilmente eu mudo. No caso de mousse de cabelo, já cansei de testar novos produtos e permaneço fiel à mesma marca: Vital Care. A marca possui três tipos: o azul de 12 horas, o vermelho de 18 horas e o rosa de 21 horas. As minhas mousses preferidas são a azul e a vermelho, pois acho que a rosa fixa demais. Quando eu uso esta, acho que o cabelo fica duro e aí eu tenho que ficar amassando os cachos para amolecer um pouco! Costumo usar sempre depois de um leave in, pode ser qualquer um que eu esteja usando no momento, acho que assim protege mais os fios de ressecamento. O preço no Brasil costuma ser em média 40 reais, mas um frasco dura bastante, mais de 1 mês, se usado quase todos os dias.

Quem quiser deixar sugestões de outros produtos, escreva nos comentários!

 

Óleos de silicone para cabelo

oleo para cabeloO que seria da indústria de cosméticos moderna sem o silicone? Eu ainda vou escrever um post apenas sobre seu uso em cosméticos e sua função, mas hoje eu resolvi escrever especificamente sobre os “óleos” de silicone para cabelo.

Quem tem o cabelo cacheado com certeza conhece ou já ouviu falar da técnica low poo/ no poo que consiste em evitar o uso de shampoos com surfactantes (detergentes) agressivos que destroem a fibra capilar e, consequentemente, também deve-se evitar o uso de produtos que se acumulam no cabelo, como os que contêm petrolatos e silicones insolúveis em água. Bom, meu cabelo é cacheado e tenho certeza que se eu adotasse o low poo, ele seria muito mais bonito e saudável! Mas eu me viciei em produtos que se acumulam nos fios, acho que eles ficam mais encorpados e, momentaneamente, mais bonitos. Como já disse, eles seriam mais bonitos com o low ou no poo, mas no momento eu acho mais fácil tirar o pão-de-quejo da dieta do que tirar os silicones do cabelo.

Voltando aos óleos…
Acho que tivemos uma grande mudança na forma de se vender os famosos “óleos” finalizadores. No final dos anos 90, os reparadores de pontas com silione viraram uma febre, todo mundo usava umas gotinhas para selar as pontinhas, dar brilho e tirar o frizz. E as embalagens mostravam a palavra “silicone” de forma bem explícita. O que eu percebo agora é que a palavra “silicone” sumiu!!! E os produtos se tornaram simplesmente “óleos”.

Não estou defendendo o uso de silicones, só estou reparando que a indústria está tratando o “silicone” como mero veículo, como se ele não tivesse nenhuma função no produto. Talvez por eles estarem ganhando uma fama ruim… Desta forma, tem muita gente que acha que está passando “óleo de argan”, mas, na verdade é óleo de silicone com óleo de argan, e não sabemos a quantidade deste último. E, no meu ponto de vista, quando se fala em óleo, por definição, eu logo penso nos fixos, como o de argan, oliva, semente de uva etc., ou nos essenciais, usados na perfumaria. Mas nunca penso em silicones!

"Óleos" que uso no cabelo
“Óleos” que uso no cabelo

O objetivo deste post é apenas fazer um alerta, chamar atenção para o fato de usar uma coisa pensando que é outra! Como eu disse, eu gosto de usar alguns destes “óleos” de silicone (os meus preferidos estão aqui do lado), mas uso ciente de que o efeito que vejo é como se fosse uma maquiagem e que não me irá trazer benefícios a longo prazo. É a mesma coisa do primer na maquiagem, o efeito de disfarçar os poros é momentâneo! Quando eu quero o efeito de tratamento de algum óleo vegetal, uso puro para fazer umectação (banho de óleo). Se nesses “óleos” o efeito que vemos fosse produzido pelo óleo vegetal, sentiríamos o cabelo mais gorduroso. O que não acontece com os finalizadores com silicone.

Então é isso… Espero ter contribuído de alguma forma para o entendimento deste tipo de produto. Sou uma consumidora muito exigente e ia ser muito bom se as indústrias fossem mais transparentes nos rótulos dos produtos. Uma coisa boa seria colocar a concentração do óleo de argan ou outros óleos vegetais, caso estejam presentes na formulação.

Sintam-se à vontade para comentar e deixar dicas!

Dica de livros sobre perfume

livro o perfumeNesses dias chuvosos de verão, acaba sobrando tempo para ficar em casa e ler um bom livro! Vou deixar uma dica de dois livros para quem adora perfumes.

O primeiro é “O Perfume” de Patrick Süskind, publicado em 1985, conta a história de um assassino, se passam Paris no século XVIII. É um livro denso, você começa a ler e não quer parar. Eu estou indicando este livro porque nele há a descrição de vários métodos de extração de óleos essenciais. Quem me indicou esse livro foi uma professora na aula de óleos essenciais, eu ficava perguntando tanto sobre as métodos que existe e aí ela disse que eu ia gostar de ler este livro. E estava certa!

O-segredo-de-ChanelO segundo é “O Segredo do Chanel Nº 5 -a História Íntima do Perfume Mais Famoso do Mundo” escrito por Tilar J. Mazeo e publicado em 2010. Ao ler este livro, a gente se impressiona com tanta história, mais do que muita biografia por aí. Só acho o autor vai ter que lançar um segundo volume em breve, pois a história do Chanel Nº 5 não acabou. Este perfume ainda enfrenta problemas para se manter no mercado com a sua fórmula o mais próxima possível da original. Os perfumes de luxo usam óleo essencial de verdade (e não fragrâncias sintéticas) e para compor o Chanel Nº 5, muito pau-rosa da Amazônia foi utilizado, causando risco desta árvore entrar em extinção. Ainda bem que um grupo de pesquisa do Brasil, do Prof. Lauro Barata, conseguiu desenvolver um método de extração do óleo a partir das folhas da árvore do pau-rosa.

Boa leitura!

 

Maquiagem de luxo x Maquiagem profissional

maquiagem de luxo e profissionalQuando eu penso em maquiagem profissional, logo vem à minha cabeça as palavras luz e cor. No nosso dia-a-dia corrido, nós nos maquiamos considerando a paleta de cores que vamos usar, fazemos contorno e iluminamos alguns pontos e ainda pensamos no tipo de maquiagem que a ocasião pede . No caso da maquiagem feita para ser usada no teatro, televisão, desfiles etc., a dupla luz e cor é levada ao extremo! A maquiagem profissional é desenvolvida para situações com características diferentes do uso cotidiano, ela vai ficar exposta a luzes de diferentes intensidades, tem que durar por horas e se manter impecável e, em algumas situações, a maquiagem vai ser filmada em HD!

pancake maquiagem
Pancake da Max Factor

A maquiagem no cinema e TV é um caso a parte, há muita história envolvida! Quando os filmes se tornaram coloridos, muitas atrizes ficaram com receio em aparecer nas telas, algumas até se recusaram a participar de filmes em Technicolor. Foi assim que o maquiador Max Factor fez história, desenvolvendo maquiagem com cores específicas para cada ator e o famoso pancake, que se popularizou rapidamente e foi muito copiado. Nos dias de hoje, temos a maquiagem HD, com formulação especialmente desenvolvida para ser filmada em high definition, cobrindo as imperfeições e ruguinhas, mas deixando a pele com ar natural.

Apesar da maquiagem profissional ser desenvolvida para estas situações específicas, não significa que não podemos usá-la no dia a dia! Ainda mais no mundo de hoje, em que somos fotografadas e filmadas o tempo todo… Não sou maquiadora, mas acredito que não existem mais regras de maquiagem, o importante é saber fazer um bom uso do produto.

A maquiagem de luxo é outra história, ela é desenvolvida com outra proposta: um produto excelente em uma embalagem que é quase uma joia! Ela não é formulada especificamente para luzes e câmeras, mas para ser um produto com cor e texturas que lançam tendências na moda, acabamento impecável, embalagem com design diferenciado e além disso, passa uma mensagem de glamour. Retocar um pó compacto com uma logomarca de uma maison famosa como a Chanel ou Dior é passar uma mensagem de luxo e sofisticação!

Qual é a melhor?

Não posso dizer que tem uma melhor do que a outra, pois depende da ocasião e do quanto estamos dispostas a gastar! Mas acho que em alguns momentos temos que tomar cuidado com o uso de alguns produtos que não foram desenhados para as câmeras.

Eva Longoria com o efeito "panda invertido"
Eva Longoria com o efeito “panda invertido”

Existem produtos que possuem partículas com propriedades ópticas que promovem um ar saudável saudável para a pele e tira o aspecto cansado. Fico com medo de usar esses produtos em festas em que as fotos serão com flashes e ficar com cara de panda invertido. Acredito que nessas fotos onde as atrizes aparecem com olheiras brancas e pele manchada de pó, não é culpa do maquiador que errou a mão, mas do uso inapropriado de um produto desenvolvido refletir a luz.

Acho que o importante é saber aproveitar o que cada produto tem de melhor, independente da maquiagem ser de luxo, profissional ou de farmácia. Sou apaixonada por batons e acho que dá para para criar makes incríveis usando um batom da MAC ou da Vult da mesma forma!

Quem quiser dar dicas e sugestões, deixe um comentário!

Creme para prevenção de estrias

O que eu usei na gravidez: Mustela, Materskin e óleo de amêndoas

Já fiquei grávida duas vezes e sei como é ficar preocupada com o barrigão. Quando a gente acha que a barriga já está enorme, ainda vai crescer mais! Então vou falar um pouco sobre creme para estrias e compartilhar o que eu usei nesta gravidez.

Mas o que os cremes formulados para prevenção de estrias têm de tão especial?

Na minha opinião, tem dois pontos importantes a respeito destes cremes.

Primeiro: eles possuem formulação desenvolvida especialmente para uma situação em que a pele se estica de forma rápida e intensa, ou seja, possuem mais ativos para impedir o surgimento de estrias nestas fases. Portanto, estes cremes podem ser usados não só durante a gestação, mas em outras situações em que a pele é mais “exigida”, como no ganho rápido de peso (ou músculos!) ou em fase de crescimento rápido. É muito comum surgirem as primeiras estrias na adolescência, foi nesta fase que eu aprendi o que eram estrias! A partir daí comecei usar loção hidratante diariamente e não apareceram outras mais novas…

O segundo ponto, é em relação à segurança que o creme oferece para a gestante. A indústria escolhe os ativos mais eficazes, mas também seguros. Se a grávida resolve utilizar um creme rico em ativos para prevenção/tratamento de estrias, mas que não foi formulado especialmente para gestantes, ela corre o risco de utilizar uma formulação com ativos relacionados a efeitos danosos para o bebê (teratogenicidade e aborto). Um exemplo, é a cânfora que é muito comum em formulações para aliviar pernas cansadas. Ela não é indicada para gestantes, pois em estudos com administração de cânfora por via oral em animais, foi observado efeito abortivo, por isso não é recomendada para formulações para gestantes. E, assim como a cânfora, outros ativos não são indicados para uso durante a gestação.

Linha Umiditá
Linha Umiditá

Nesta última gravidez, eu usei três produtos: o Materskin da Biolab, o creme da linha Mustela e óleo de amêndoas puro (de farmácia de manipulação). Há 10 anos atrás, na minha primeira gravidez, eu engordei 25 Kg (e não me orgulho disso!) e usei apenas Materskin e óleo de amêndoas à noite e não tive nenhuma estria na barriga. Eu gostava de passar o óleo naqueles momentos da coceira… Desta vez, eu usei também o Mustela, pois consegui comprá-lo mais barato e achei que o Materskin estava bem caro. Acho que os dois são excelentes: possuem aroma suave, boa espalhabilidade e deixam a pele muito hidratada! Gostaria de ter testado o creme da linha Umiditá da Libbs, mas não deu tempo, o bebê nasceu antes de conseguir compra-lo. Achei a linha bem interessante, principalmente o creme gel para pernas cansadas, pois é difícil conseguir um creme seguro com esta finalidade. Vou ver se encontro o creme pós-parto para testar e depois eu conto o que achei!

 

Abraços a todas e espero não decepcioná-las neste novo recomeço!

Batom que muda de cor

Batom que muda de corQuando eu era criança, minha mãe tinha um batom verde que ficava rosa quando passava nos lábios. Eu achava aquilo o máximo!!! Como é que pode mudar de verde para rosa? São cores muito diferentes… Como eu sempre tive essa curiosidade, achei que outras meninas também pudessem ter!

Na verdade, o que ocorre não é uma mudança de cor, o batom poderia ser de qualquer cor e mesmo assim ele iria adquirir uma tonalidade rosa na boca.

Na formulação desse batom, eles usam um corante (Red 27/CI45410) que na ausência de água não apresenta cor, mas quando entra em contato com a água ele vai adquirindo a cor rosa. Quando a gente passa o batom nos lábios, o corante entra em contato com a umidade da nossa pele e começa a ficar rosa. Dependendo do pH da pele, ele pode ficar com tonalidade diferente.

Mood lip gloss
Fonte: site da NYX

E o corante verde? Eles colocam o corante em concentração bem menor, apenas o suficiente para que a gente veja o batom verde. Sabe aqueles lápis de cor que quando a gente vai colorir não aparece cor direito? Mais ou menos isso…

Eu vi que a NYX tem um gloss que é transparente e na boca fica bem rosa, eu não vi a composição, mas creio que ele deva ter esse corante. Alguém já usou?

 

A volta do esqualano

esqualeno

Quando nós compramos um potinho de creme ou um simples batonzinho, não fazemos ideia nenhuma de onde vem a matéria-prima utilizada. Uma coisa que me alegra nos nossos tempos de acesso ilimitado à informação, é o quanto os consumidores estão mais conscientes.

Há alguns anos atrás, era bastante comum encontrar esqualano em cosméticos, inclusive naqueles manipulados na farmácia. E o esqualano realmente merece destaque por várias características: é inodoro, incolor, quimicamente estável, muito resistente à oxidação, boa solubilidade em vários tipos de formulação etc. E a melhor parte: o esqualeno e o próprio esqualano (em menor concentração) são produzidos pelas nossas glândulas sebáceas, eles ajudam a prevenir a perda de umidade e a promover a elasticidade da pele. E o fato de já serem produzidos pelo nosso organismo (ele pode ser encontrado até na vagina!) traz uma maior segurança para o seu uso em cosméticos.

Agora a parte ruim: por muito tempo, a fonte comercial desta matéria-prima era o fígado de tubarões que vivem nas profundezas do mar. Esse óleo de fígado de tubarão foi muito utilizado na China, Japão e Coreia como um alimento saudável e até aqui no Brasil, pode ser encontrado nos dias de hoje.

Antes de continuar, preciso fazer um esclarecimento: existe o esqualeno e o esqualano!

Esqualeno: encontrado em maior concentração no sebo da nossa pele, possui muitas ligações duplas na sua cadeia carbônica e é bastante instável, portanto, ficaria difícil utilizá-lo dessa forma em cosméticos;

Esqualano: encontrado em baixa concentração na pele, produzido a partir do esqualeno por uma reação química (hidrogenação catalítica), possui boa estabilidade para ser usado em cosméticos.

Continuando… Além do fígado de tubarão, outras fontes de esqualeno foram exploradas. Na década de 70, o esqualeno chegou a ser produzido por síntese química, mas era caro demais. A opção que surgiu foi obter o fitoesqualeno de óleos vegetais, como o de oliva, só que também não era economicamente viável, pois era encontrado em baixas concentrações… Até que surgiu a alternativa de obtê-lo a partir um resíduo da produção de azeite de oliva que pode apresentar até 30% de esqualeno na sua composição.

Hoje, uma alternativa que me parece muito viável, é a produção do esqualeno a partir da cana-de-açúcar. A Amyris, uma empresa da Califórnia, possui uma levedura (a mesma de fazer pão) que foi modificada para produzir uma outra substância, o β-farneseno a partir da fermentação do açúcar e esta molécula vai servir como precursora para produzir o esqualano. Como açúcar é o que não falta no Brasil, ela acabou se instalando por aqui…

Eu coloquei “a volta do esqualano” no título desse post, pois acredito que agora os consumidores não precisam mais ficar preocupados. A incerteza a respeito da sua obtenção e os custos altos acabavam influenciando na sua disponibilidade no mercado. Acredito que esse novo processo da Amyris vai impactar o mercado e vamos começar a ver mais esqualano por aí.

bb cream esqualano

Um produto que gosto muito é o BB Cream da L’Oréal, vejam a formulação: AQUA; CYCLOPENTASILOXANE; ALCOHOOL; BUTYLENE GLYCOL; ETHYLEXYL METHOXYCINNAMATE; PEG-10; DIMETHICONE;PHENYL TRIMETYCONE; SQUALANE; MAGNESIUM SULFATE; TALC; NYLON-12; MALTITOL; DISODIUM STEAROYL GLUTAMATE; ALUMINIUM HYDROXIDE; SORBITOL; PERLITE; VACCINUM MYRTILLUS FRUIT EXTRACT

 

Eu só não sei de onde vem esse esqualano da L’Oréal, mas com certeza não é de nenhum tubarão!

 

Produtos que eu uso: Colágeno em pó

Já faz algum tempo que uso colágeno hidrolisado e a minha preferência são pelos em pó. Quando digo em pó, me refiro aos vendidos em pote ou sachet. O primeiro que usei era em cápsulas e eu não achei que valesse a pena, a dose era muito baixa e eu teria que tomar várias cápsulas para equivaler a um sachet. Geralmente, a cápsula ou comprimido fornece 1 g de colágeno, mas o ideal é ingerir de 8 a 10g.

A marca de colágeno que eu uso normalmente é a SlimCol da Dynamic Labs, eu me adaptei muito bem ao sabor de tangerina, bem suave. Outro que eu usei e achei bom foi o Colagentek, ele possui sabores sortidos, mas eu achei um pouco forte. Eu sei que existem várias opções em potes, mas o sachet é mais prático e dá para levar na bolsa.

colageno slimcolcolageno colagentek30

 

Além de 8g de colágeno/sachet, ambos possuem algumas vitaminas na formulação. Da mesma forma que gelatina, o colágeno hidrolisado apresenta difícil solubilização em água fria.  O que eu costumo fazer é colocar no copo com água, misturar (vai ficar cheio de grumos) e esperar alguns minutos. Depois eu misturo de novo e está pronto para tomar!

 

Colágeno hidrolisado funciona?


Colageno e envelhecimento

O envelhecimento tem causa multifatorial, mas uma coisa que todas sabemos é que perdemos o colágeno da pele com o tempo e, com isso, ganhamos rugas e flacidez. Por isso, a ideia de repor este colágeno perdido é muito sedutora.

Esse, com toda a certeza, é um assunto bastante polêmico! Eu via nas prateleiras suplementos e alimentos funcionais com colágeno e sempre aparecia a dúvida:

Suplementação com colágeno funciona ou é perda de tempo e dinheiro? E se funciona, como isso acontece?

Acho que a grande maioria dos profissionais da área da saúde ou pessoas que já estudaram Bioquímica alguma vez na vida não irão ver muito sentido no uso do colágeno.  Afinal, quando você ingere uma proteína, não vai ser tudo hidrolisado e teremos aminoácidos disponíveis do mesmo jeito? Não é a mesma coisa que ingerir gelatina ou pé-de-galinha com regularidade?

Eu pertencia ao grupo que não acreditava na suplementação com colágeno, até que um dia eu resolvi fazer um teste de 1 mês usando todos os dias (8g/dia). E, para a minha surpresa, percebi uma melhora significativa no aspecto da minha pele. Como assim? Qual a “lógica” por trás do colágeno?

Fui fazer uma busca na literatura (científica) e percebi que eu tinha alguns conceitos errados. O primeiro deles era: eu achava que a gelatina por si só já era um “colágeno hidrolisado”, já que ela é obtida a partir da hidrólise do colágeno de origem animal. E, na verdade, o que a indústria chama de colágeno hidrolisado é aquele obtido após mais uma etapa de hidrólise, só que enzimática. Traduzindo: depois de obter a gelatina, esta vai ser quebrada em pedacinhos menores ainda. Em termos bioquímicos, dizemos que foram formados polipeptídeos de massa molecular menor. Essa é a razão do colágeno hidrolisado ser tão mais caro que um simples pacotinho de gelatina!

Depois de ler vários trabalhos, descobri alguns fatos interessantes:

Fato 1: O colágeno hidrolisado, ou mesmo a gelatina, não vai ser completamente hidrolisado no estômago, como quase todo mundo pensa!

Fato 2: O colágeno hidrolisado apresenta biodisponibilidade. Isso significa que vai ser absorvido no intestino e cair na corrente sanguínea.

Vi que muita coisa já foi estudada, e ainda falta alguns pontos para os pesquisadores esclarecerem. Existem muitos estudo in vitro, in vivo (animais) e clínico (com pessoas) que confirmam o efeito que observamos na pele com a suplementação e, também, outros sobre diversos assuntos (metabolismo ósseo, segurança, atividade antimicrobiana etc.). Sobre o mecanismo de ação do colágeno na pele, encontrei dois que me convenceram:

  • Os aminoácidos (aas) do colágeno funcionam como blocos construtores para a produção de mais colágeno. (Esse é o que menos me convenceu, pois eu posso ter os mesmos aas de outras fontes!)
  • Os oligopeptídeos do colágeno hidrolisado se ligam a receptores dos fibroblastos e estimulam a produção de colágeno novo, elastina e ácido hialurônico. (Gostei desse!)

Um trabalho de um grupo brasileiro me chamou a atenção por dar mais uma possibilidade: eles verificaram (in vivo) que a ingestão de colágeno hidrolisado por 4 semanas suprimiu algumas metaloproteinases de matriz, que estão relacionadas com a degradação direta do colágeno e com a inibição da sua síntese.

O que as vaidosas que usam colágeno já sentiam na pele, a ciência explica!

Só para deixar claro: não pretendo escrever post monografia!!! Estes processos são complexos e não dá para colocar aqui bem explicadinho. Mas, o que eu vi na literatura, me convenceu e eu continuo usando CH e gosto muito do resultado. Quem quiser ver o que eu uso, é só clicar aqui.

Se quiser esclarecer um dúvida ou sugerir temas para postagem, pode entrar em contato com o blog!