Chá de hibisco

cha de hibisco

 

Conheci o hibisco há alguns anos atrás, ele estava longe de entrar na moda… Nesta época, ele era tão sem glamour que era comum ele entrar em blends de chá de “frutas vermelhas” ou “flores e frutas” e o nome dele nem aparecer em destaque na embalagem, só aparecia no ingredientes. Mas dava para perceber que ele estava lá pela sua cor vermelha, já que ele é rico em antocianinas.

O hibisco usado para fazer o chá é o Hibiscus sabdariffa, da família Malvacea, ele é parente próximo do quiabo, não é aquele ornamental vermelho muito encontrado em jardins (Hibiscus rosa- sinensis). Sua flor é como o da imagem acima, mas há variedades com. O chá é feito com as sépalas da flor que são desidratas e vendidas no mercado, esta parte é mais rica em antocianina. Tenho visto algumas embalagens no comércio que está escrito que a parte usada são flores e me parece que são pétalas, o que me deixa desconfiada se é o hibisco certo.

O hibisco é riquíssimo em substâncias antioxidantes, como as antocianinas, que são flavonoides de cor vermelha. Além das antocianinas, possuem outras substâncias interessantes, tais como: outros flavonoides (quercetina, kaempferol), ácidos orgânicos e vitamina C.

hibisco sepalasHoje em dia, ele está sendo muito usado como auxiliar no emagrecimento, mas ele é tradicionalmente conhecido por outras atividades biológicas já bastante estudadas pelos pesquisadores.

 

Atividades do hibisco que já foram comprovadas em testes clínicos (com pessoas):

  • diminuição da pressão arterial
  • diminuição do nível de triglicérides
  • diminuição do nível de colesterol total (apenas um estudo com cápsulas de extrato de H. Sabdariffa nas refeições)
  • diurético

As atividades antioxidante e antinflamatória também foram observadas em ensaios clínicos, mas com menor efeito se comparados com os estudos in vivo e in vitro.

Atividades observadas em estudos in vivo (animais) e in vitro: antiespasmódico (útero), antimicrobiana, antinflamatória, antioxidante, diurética, anticolesterol (diminui LDL, triglicérides e colesterol total), entre outras mais.

Há alguns estudos in vivo relacionando o hibisco à perda de peso, mas ainda não há estudos clínicos (com pessoas), apesar da moda  para a perda de peso. Como auxiliar no emagrecimento, o hibisco pode atuar nas condições associadas à obesidade, como a hiperlipidemia. Os mecanismos de ação do hibisco no emagrecimento estão sendo estudados, os possíveis mecanismos do extrato de hibisco são: atuação na adipogênese e inibição da enzima α-glucosidade e α-amilase, o que dificultaria a absorção de açúcar e amido.

O hibisco mostrou boa toxicidade aguda, o que significa que dificilmente alguém vai se intoxicar se ingerir grandes quantidades de chá de hibisco de uma vez!!! Mas, a longo prazo, deve-se tomar cuidado! A ingestão crônica de grande quantidade de extrato de hibisco a por muito tempo pode ser tóxico para o fígado (acima de 3g de extrato seco por Kg de peso corpóreo por mais de 3 meses). Uma recomendação que eu li que é que a ingestão segura seria de 2,2 g de cálice seco por dia para uma pessoa de 70 Kg.

A melhor forma de preparar o chá de hibisco é por infusão: adiciona-se a água quente ao hibisco seco e abafa (um pratinho em cima da panela). As antocininas de flores são mais estáveis que as de frutas, mas mesmo assim deve-se evitar ferver o hibisco (decocção) para não degradá-las, bem como outros compostos sensíveis à temperatura.

Pode ser que eu tenha esquecido alguma coisa importante… Deixem sugestões e comentários!

Bjs

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *