Farmácia no nosso dia a dia

farmácia medicamentoEu estava pensando no que eu iria escrever no blog e vi que hoje era 20 de janeiro, dia do farmacêutico. Então, decidi comemorar o dia da minha profissão e escrever sobre alguns conceitos relacionados à Farmácia que costumam causar confusão nas pessoas.

No dia a dia, vejo as pessoas usando as palavras remédio, medicamento e droga como se tudo fosse a mesma coisa! Não que isso seja um problema! Mas, para quem quiser saber, vou dar uma explicação bem simples.

Droga ou fármaco é a substância que vai ser utilizada para fazer o medicamento. Atualmente, as pessoas tem usado mais a palavra “droga” que vem da tradução do inglês “drug”. Eu, particularmente, prefiro o nome tradicional mesmo – fármaco – mas os dois estão corretos, pois até a Anvisa adota o nome “droga”. Já medicamento é o produto elaborado utilizando-se o fármaco (droga) na indústria ou farmácia. Para ser chamado de medicamento, o fármaco vai estar apresentado em uma forma farmacêutica, ou seja, vai estar em forma de cápsula, solução, suspensão, óvulo etc. Quando comercializado ou fabricado no Brasil, o medicamento precisa necessariamente ter passado por ensaios clínicos e ser autorizado pela Anvisa. Quando o medicamento ainda não passou por ensaios clínicos, chamamos de medicamento experimental.

Usando um caso que ficou famoso na mídia como exemplo: a fosfoetanolamina seria o fármaco ou droga, a cápsula contendo a fosfoetanolamina seria o medicamento, mas como ainda vai passar por ensaios clínicos, é um medicamento experimental.

E o remédio?

Remédio pode ser qualquer coisa ou cuidado que alivia algum sintoma, cura ou traz bem estar, tais como: um medicamento, um chá bem quentinho, uma oração ou um beijinho da mamãe! E quem vai falar que beijinho da mamãe não tira a dor e sara machucado? Então é remédio!

Litografia de Charles-Henri Bethmont de 1850. retratando plantas venenosas, a morte de Sócrates, o farmacêutico e o herbalista na antiguidade.
Litografia de Charles-Henri Bethmont de 1850 retratando plantas venenosas, a morte de Sócrates, o farmacêutico e o herbalista na antiguidade.

Outros nomes que fazem bastante confusão são fitoterapia e homeopatia. Antes de qualquer coisa, um esclarecimento sobre as plantas medicinais: o fato de ser da natureza não significa que não pode ser perigoso! Grande parte dos fármacos que temos hoje foram identificados na natureza! O uso medicinal de forma incorreta pode causar intoxicação e pode até interagir com algum medicamento que o paciente faça uso.

Portanto, cuidado quando alguém usar a expressão “é natural”!

Continuando… Um fitoterápico é um medicamento preparado a partir de plantas medicinais. Por ser um medicamento, ele é apresentado em uma forma farmacêutica, passou por controle de qualidade, possui posologia e, por ser padronizado, ele sempre vai apresentar a mesma concentração do princípio ativo. O medicamento fitoterápico possui registro na Anvisa.  Já a planta medicinal (inteira ou partes dela, seca, triturada ou não) é chamada de droga vegetal e não é registrada na Anvisa. Novamente, a minha orientação é cuidado com o uso!

E a homeopatia? O medicamento homeopático é um medicamento dinamizado (diluído e agitado muitas vezes, muitas vezes mesmo!!!) obtido a partir de planta, animal ou mineral. Isso significa que pode ser produzido até a partir do veneno de uma abelha, mas sempre seguindo os conceitos da homeopatia. As formas farmacêuticas mais comuns são os glóbulos de açúcar e solução.

Assim, quando se fala em plantas medicinais e fitoterapia, não é a mesma coisa que homeopatia!

Em relação a dúvidas sobre medicamentos e assuntos deste tipo, converse com o farmacêutico! Nas farmácias, eles costumam estar identificados e podem conversar e dar informações sobre o uso de medicamentos.

Consegui ser esclarecedora ou fiz mais confusão? Se eu deixei de abordar algum tópico importante, sugiram nos comentários e aí eu falo em outro post!

2 thoughts on “Farmácia no nosso dia a dia

  1. Oi Patrícia,

    Nossa que legal este post, foi muito esclarecedor. Até hoje não entendo como os remédios (posso dizer assim) de base homeopática funcionam. Estou cursando farmácia e tempos atrás vi referência a um artigo que havia sido publicado na renomada revista Nature que demostrava a memória da água e logo depois teve que ser retirado pois a comunidade científica achou de poderia ser uma fraude. Afinal, havia ali uma evidência de que a homepatia poderia ter um fundamento, correto? Gostaria que você me esclaresesse isso, tenho muitas dúvidas sobre esse tema.

    Bjs,
    Renata.

  2. Olá, Renata! Obrigada!
    Isso mesmo, ninguém conseguiu reproduzir os resultados de memória da água e aí o artigo foi retirado. Não sei se você reparou, mas preferi não entrar em muitos detalhes sobre homeopatia. Ainda não há uma explicação sobre o mecanismo de ação, na verdade os pesquisadores ainda estão tentando provar que funciona em estudos clínicos e diferenciar do efeito placebo. Enquanto isso, muitos pacientes se beneficiam da homeopatia. Eu mesma, que não acreditava na época da faculdade, fiz uso e me surpreendi!
    Bjs
    Patricia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *